Uma tarde no mundo / Performance

João Sousa Cardoso

[Portugal]

Sequências Narrativas Completas

© Maria Begasse

Sequências Narrativas Completas é um espetáculo concebido pelo artista João Sousa Cardoso, a partir da obra homónima do escritor e pintor Álvaro Lapa, numa construção – diferente a cada representação – entre o teatro e a conferência. No cruzamento entre as artes performativas e o labor do pensamento tornado visível, o espetáculo cruza a dramatização do texto, o monólogo interior, o relato diarístico e o ensaio sobre a vida íntima, doméstica e pública portuguesas, no encalço da revolução e da democracia.

Nota: Bilhete único - 7 €
Bilhetes disponíveis através da Ticketline ou na bilheteira da Culturgest de terça a domingo entre as 11:00–18:00. Em dias de espetáculo, até ao início do mesmo. | culturgest.bilheteira@cgd.pt | (+351) 21 790 51 55

João Sousa Cardoso

Doutorado em Ciências Sociais, pela Universidade Paris Descartes (Sorbonne). Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian entre 2006 e 2009. Encenou e interpretou Raso como o Chão, a partir de Álvaro Lapa, no Auditório do Museu de Serralves, em 2018. Em 2016, encenou Os Pescadores a partir de Raul Brandão, estreado no Teatro Municipal do Porto. Desenvolveu a criação TEATRO EXPANDIDO! entre janeiro de dezembro de 2015, no Teatro Municipal do Porto. Em 2014, criou MIMA-FATÁXA, a partir de Almada Negreiros, coproduzido pelo Maria Matos Teatro Municipal, Teatro Viriato, Centro Cultural Vila Flor, Teatro Municipal da Guarda e Teatro Virgínia. Criou ainda os espetáculos Raso como o Chão (2012) no Teatro Nacional São João, no Porto, A Carbonária (2008), com estreia no Teatro Municipal de Bragança e apresentação na Casa Conveniente, em Lisboa; e O Bobo (2006), com apresentações nas Universidades de Paris 3, Paris 4, Paris 8 e Paris 10 e estreia nacional no Teatro Taborda, em Lisboa. Autor dos filmes Cinema Mudo (2006), estreado no Auditório de Serralves, e 2+2 (2008), estreado no Jeu de Paume, em Paris. Realizou os filmes Baal a partir de Bertolt Brecht (2013), A Ronda da Noite a partir de Heiner Müller (2013) rodado no Cinema Batalha e A Santa Joana dos Matadouros a partir de Bertolt Brecht (2014) rodado no antigo Matadouro Industrial do Porto. Artista em residência na Fondazione Pistoletto (Itália), em 2002, e em Expédition – Plateforme Européenne d’Échanges Artistiques, a convite dos Laboratoires d’Aubervilliers, nas cidades de Amesterdão, Viena e Paris, entre 2007 e 2008. Integrou a exposição Às Artes, Cidadãos!, no Museu de Serralves, em 2010. Assinou a direção artística de Almada, Um Nome de Guerra/Nós Não Estamos Algures, a partir do mixed-media de Ernesto de Sousa dedicado a Almada Negreiros, no Museu de Serralves em 2012. Realizou, com André Sousa, o filme Na Selva das Cidades, rodado em São Paulo (Brasil), produzido por Oficina Cultural Oswald de Andrade e Casa do Povo em 2016. E em 2017 a exposição Breviário do Brasil na Oficina Cultural Oswald de Andrade. É professor na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e na Universidade Lusófona. Escreve regularmente crítica e ensaio para várias publicações.

8 Mar 17:00

Culturgest - Pequeno Auditório

Título Sequências Narrativas Completas
Texto A partir de Álvaro Lapa
Criação e Interpretação João Sousa Cardoso
Cenografia André Sousa
Direção Técnica Miguel Ângelo Carneiro
Fotografia de Cena Maria Begasse
Produção Isalinda Santos
Assistente de Produção Ana Pinto
Coprodução Teatro Nacional D Maria II, Teatro Nacional São João, Teatro Viriato, Centro Cultural Vila Flor, Confederação

M/12 | 60 minutos

"Uma Tarde no Mundo é uma secção pensada para acontecer durante uma tarde em dois espaços expositivos de Lisboa, com espetáculos e performances em diálogo com os seus contextos espaciais, institucionais e museográficos."