Uma tarde no mundo / Performance

Sérgio Matias

[Portugal]

Insólido

© Teresa Lopes da Silva

Uma hipotética e escultórica visão do vírus. A proposta passa não só por perceber as impossibilidades de mexer o corpo, mas também nas especificidades do disforme, em consequência da análise de como as nossas vidas físicas e gestualidades se alteram e irão alterar em consequência desta pandemia. Entre receber o público, criar um ambiente de festa/concerto e de convivência conjunta mas distanciada e segura. Poder olhar para o terror com outros olhos, nunca esquecendo o que aí vem e o que já foi. 

"A verdade é que eu se pudesse, desaparecia, assim puff! De uma vez por todas. (...)  Custa a aceitar por isso se pudesse desaparecia! Mas não posso... E não vou mentir nem espalhar falsas esperanças porque... Não vai ser fácil."

in A Entrevista Viral, 2020 , Mariana Nobre Vieira

Nota: Bilhete único para todas as performances "Uma Tarde no Mundo" no Museu de Lisboa - Palácio Pimenta - 3 €
Sujeito à lotação do espaço.

​Sérgio Diogo Matias

​Sérgio Diogo Matias (1985) ​Iniciou os seus estudos nas artes plásticas e em 2008 e 2010 ingressa na licenciatura de Interpretação/ Criação da Escola Superior de Dança – Instituto Politécnico de Lisboa. No último ano da licenciatura frequenta a ArteZ Hogeeschool, em Arnhem, sendo bolseiro do programa Erasmus. Em 2013/ 2014 faz o curso de intérpretes do Fórum Dança, PEPCC. Como intérprete, destaca colaborações com Amélia Bentes, Miguel Pereira, Ballet Contemporâneo do Norte, Tânia Carvalho, entre outros.
Em 2014, é cocriador de Pastiche, projeto apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Em Abril de 2017 apresenta nos Palcos Instáveis uma colaboração com Filipe Moreira, CASULA, e é intérprete na Criação “EQUANIMIDADE” de Vânia Rovisco, no âmbito do Festival Walk&Talk, nos Açores. Em 2017/2018, desenvolve MASS|MESS, que teve estreia no Festival Paralelo, Açores, e foi ainda apresentado na Rua das Gaivotas6, com coreografia sua e interpretação conjunta com Nuno Labau. Foi intérprete na peça “Violência das Coisas Insensíveis”, de Nuno Labau, com apresentação na 19a Plataforma Internacional do Festival de Dança de Almada em Outubro de 2017. No contexto do Festival Cartografias, em Lisboa, com curadoria de Ezequiel Santos, apresenta o seu solo Insólido, em Novembro de 2017, que teve início durante o curso do Forum Dança, PEPCC. Em 2018/2019 desenvolve, em colaboração com António Torres, com partilha de WIP no Espaço Alkantara, em Lisboa, no contexto do Festival Temps d’Images, em Dezembro de 2018, e estreia no Teatro da Politécnica, em Lisboa, em Março de 2020, projeto apoiado pela GDA. Como intérprete trabalhou com Amélia Bentes em Mnésimo, apresentado no Musibéria, em Serpa. Em 2019 desenvolve a peça LOOP, com coreografia sua e interpretação conjunta com Bruna Carvalho e Teresa Alves da Silva, projeto também apoiado pela GDA.

3 Oct 15:30

Museu de Lisboa​ – Palácio Pimenta

Criação, Interpretação e Figurino Sérgio Diogo Matias
Som Mestre André
Texto Mariana Nobre Vieira
Antes COVID-19  Apoio à dramaturgia: Ivo Saraiva e Silva Textos e documentação: Telma João Santos
Fotografia Teresa Lopes da Silva
Residências Artísticas Companhia Olga Roriz, Forum Dança, 23 Milhas - Ílhavo, Musibéria, Estúdios Victor Córdon, Teatro Campo Alegre - Porto
Apresentações Galeria – Espaço Santa Catarina, Festival Cumplicidades, Musibéria

M/12 | Duracional 15h30 a 17h30

"Uma Tarde no Mundo é uma secção pensada para acontecer durante uma tarde em dois espaços expositivos de Lisboa, com espetáculos e performances em diálogo com os seus contextos espaciais, institucionais e museográficos."