Edição 2020 | Multiverso

Escolhemos o termo Multiverso como conceito agregador das propostas nacionais e internacionais da nova edição do CUMPLICIDADES. Usado nas teorias e ficções científicas, ele define o encontro entre diferentes universos, numa totalidade de espaço, tempo, matéria, energia, leis e suas constantes físicas.
Trazendo-o para o contexto do próximo festival, encontrámo-lo na diversidade de linguagens, biografias, cronologias e distintas geografias – locais, regionais e transnacionais – dos artistas aqui reunidos. Reposições, novas criações e repertórios. Mas multiverso, transpondo livremente o seu âmbito científico ou ficcional, poderá igualmente representar a possibilidade múltipla do verso de um poema; um verso multi-coral, constituído por uma pluralidade de vozes, corpos, expressões e subjetividades que convergem numa mesma estrofe.
Existe na realidade uma concretude, muito pouco abstrata, nos diferentes planos temporais e espaciais (geográficos) que compõem este multiverso em particular. Que convergência – entre passados e presentes, menos ou mais recentes – e que coexistência – sem hierarquias e segmentações territoriais – podemos tornar reais enquanto agentes de uma dinâmica global? No momento histórico presente, o CUMPLICIDADES, enquanto plataforma artística, deseja contribuir para a convocação de um humanismo anti-nacionalista, uma prática da diversidade na qual os direitos humanos e democráticos serão denominadores comuns, elementares e essenciais.

André Guedes e equipa do festival


A edição 2020 do CUMPLICIDADES assentará em 3 eixos:

Programação Artística
Nacional e Internacional

Atividades Paralelas
Talks, Estúdios Abertos e Workshops

Projeto Educativo
Passaporte da Dança, Dançar a Memória e Mediação de Públicos

Ficha técnica

Direção Artística

Francisco Camacho

Curadoria Nacional

André Guedes

Curadoria Internacional

Sara Machado

Direção de Produção

Marta Vieira
marta.vieira@festivalcumplicidades.pt

Tiago Sgarbi
tiago.sgarbi@festivalcumplicidades.pt

Assessoria de Imprensa

Mafalda Simões
mafalda.simoes@festivalcumplicidades.pt

Comunicação e Produção

Sara P. Mendes
producao@festivalcumplicidades.pt

Produção

Sérgio Azevedo
sergio.azevedo@festivalcumplicidades.pt

Produção Executiva

Erika Ziller

Gustavo Machado

Patricia Soares

Direção Técnica

João Chicó
tecnica@festivalcumplicidades.pt

Produção Técnica

Ángela López

Design

Ana Freitas - Many Islands
www.many-islands.com

Web Development

Héloïse Maréchal

Estagiária Produção e Comunicação

Marta Pedrinho

Organização

Financiado por

Parceiros

Apoios à Divulgação

Apoios

Transportes Oficiais

Escolas Parceiras

Programação

Uma parte significativa da programação nacional foi definida com base nas propostas submetidas à convocatória lançada em Dezembro de 2018. Pensar esta área do programa levou à reflexão (inevitável) sobre os fatores que definem e balizam, atualmente, o conceito de “nacional”, versus o de “internacional” ou estrangeiro. Ele inclui não só os artistas nascidos no país, como também, e cada vez mais, os artistas estrangeiros que aqui residem, e todos aqueles portugueses que desenvolveram (ou desenvolvem) uma formação e um percurso profissional fora de Portugal. Assim, à sua modesta escala, desejamos que esta secção apresente uma leitura, parcial, é certo, da paisagem de criação artística mais imediata, “nacional”.
Já a programação internacional continua a fomentar o diálogo com o Mediterrâneo e o Médio Oriente, regiões que se assumiram prioritárias desde a conceção do festival. Em resposta às constantes alterações políticas e sociais de que muitos países são alvo, a dança contemporânea surge como uma voz indagadora, um discurso acelerado e pujante que reclama a importância da criação artística, da necessidade em preservar o património coreográfico, de reativar um repertório.

Uma Tarde no Mundo

Que acontecimentos ocorrem durante uma tarde no mundo que não vemos ou temos deles notícia? A intenção contida no título desta secção é a de reclamar a noção de uma consciência global, de uma simultaneidade de sistemas ecológicos, pondo em questão a experiência do “aqui e agora” face à monumentalidade do que acontece noutros lugares a outros seres vivos.
As propostas performativas apresentadas na Culturgest e no Palácio Pimenta/Museu de Lisboa irão justapor uma ocupação-outra ao guião destas instituições e seus contextos expositivos. Decorrendo em diferentes áreas de cada edifício, elas propõem uma vivência e contraponto temporário aos seus protocolos espaciais, institucionais e museográficos. As performances reunidas durante estas duas tardes existirão assim, simbolicamente, enquanto omissão de tudo o que existirá fora destes locais.

Programador Convidado

André Guedes

André Guedes é artista plástico. Estudou Arquitetura e Antropologia do Espaço e é atualmente doutorando no Curso de Belas Artes da FBAUL. Colabora regularmente como cenógrafo em Teatro e Dança. Recebeu em 2007 o Prémio de Artes Plásticas União Latina.

A sua prática artística combina frequentemente o trabalho de campo com a pesquisa de documentação visual e escrita, explorando questões da história social e política, resultando em instalações, performances, espetáculos de teatro, intervenções no espaço público e projetos editoriais. Os seus trabalhos têm sido expostos, entre outros, na Kunsthalle Lissabon, De Appel, Museu Calouste Gulbenkian, Museu de Serralves, Centro Cultural Montehermoso, Biennale de Rennes, Fondazione Pistoletto, Athens Biennale, Palais de Tokyo e David Roberts Art Foundation.

Enquanto curador foi responsável, entre outros projetos, pela edição de 2005 dos ‘Quadros de Dança’ do Núcleo de Experimentação Coreográfico, e ‘Almanaque’ no contexto do Laboratório de Curadoria de Guimarães Capital da Cultura em 2012.

Atividades paralelas

Ao longo do festival serão organizados um conjunto de workshops, talks e Estúdios Abertos, promovendo o encontro cúmplice e a partilha de experiências.
As atividades paralelas têm como principal objetivo proporcionar novos conhecimentos e metodologias a todos os participantes, quer sejam profissionais, entusiastas ou simplesmente curiosos.

Projeto Educativo

O projeto educativo divide-se este ano em 3 atividades diferentes, que promovem o acesso à cultura e à dança através de diferentes contextos. O projeto Dançar a Memória – com a intenção de formação da comunidade universitária sobre a história da dança e importância do repertório; Passaporte da Dança e Mediação de Públicos – que tencionam proporcionar o acesso gratuito ao festival e as suas atividades para aproximar a dança a diferentes públicos.

Dançar a Memória

“Dançar a Memória” estreia-se este ano no CUMPLICIDADES em parceria com a Faculdade de Motricidade Humana abordando conceitos como “património coreográfico”, “legado da dança”, “repertório” e “arquivo coreográfico”.

Esta atividade tem como objetivos principais realçar a importância da História da Dança no Ensino Universitário especializado e incentivar a comunidade académica a abordar diferentes públicos.
É objetivo do Festival dar continuidade ao projeto nas edições futuras, ampliando-o a diferentes escolas e universidades.

saber mais

Passaporte da Dança

Depois da surpreendente adesão em 2018, o "Passaporte da Dança" voltará de 02 a 07 de Março de 2020. Esta iniciativa pioneira compreende um circuito amplo e diversificado de aulas de dança, congregados intensivamente durante uma semana. Pretende que os moradores de Lisboa, de distintas faixas etárias, possam experimentar os diferentes estilos de dança leccionados nas escolas das diferentes freguesias (mas que quiçá desconhecem, total ou parcialmente).
Reclama assim uma maior proximidade e interação entre os fregueses lisboetas e uma exponenciação dos recursos já existentes na freguesia.

Cultura para todos e todas (Mediação de Públicos)

Com o objetivo de aproximar os jovens e estudantes (entre os 15 e os 25 anos) do contexto da dança contemporânea, o Festival, através do contacto com diversas escolas de Lisboa (escolas secundárias, escolas artísticas e instituições de ensino superior), convida grupos de alunos a assistirem aos diversos espetáculos que integram a programação do mesmo.