Estúdios abertos

Mário Afonso

[Portugal]

Framework

© Carta Branca

Este trabalho surge do interesse em criar um objeto cénico no qual se assume a palavra, o desenho e o gesto como elementos centrais. Um “dueto” com um quadro branco, cuja superfície plana oferece a possibilidade de registar a concretude da palavra e a subjetividade do desenho, nos interstícios da ação determinada do gesto que apaga, que faz tábua rasa para prosseguir. Nesta reflexão em torno do real há uma qualidade festiva, pois não esqueci, naturalmente, a poética do tempo e do lugar em que me encontro. The show must go on!

Nota: Bilhete único para os três estúdios - 5 €
Bilhetes disponíveis na bilheteira do CAL- Primeiros Sintomas - Aceita apenas dinheiro.
Pode comprar o seu bilhete a partir de 1h antes do espetáculo.

Mário Afonso

Desde 1998 desenvolve trabalho no âmbito das artes cénicas, com apresentações em Portugal, Espanha, Holanda e Bélgica. Enquanto bailarino e performer tem participado, como co-criador, em trabalhos de outros artistas como João Fiadeiro, Miguel Pereira, Cão Solteiro e Vasco Araújo, entre outros. O seu trabalho foi produzido por estruturas como O Rumo do Fumo e a Re.Al. Em 2009 fundou a sua própria associação, a Carta Branca, que dirige desde então. Através desta estrutura de produção do seu trabalho, em áreas como a criação, formação e realização de ideias, iniciou, em 2016, o projeto Prata da Casa – acervo de vídeos documentais para a dança contemporânea portuguesa, de acesso universal online.
Mais informações em www.cartabranca.pt

14 Mar 19:00

CAL - Primeiros Sintomas

Conceção e Interpretação Mário Afonso
Edição Áudio Bruno de Azevedo
Música “Splanky”, Cout Basie
Produção Carta Branca
Apoios CML - Câmara Municipal de Lisboa, Forum Dança, O Rumo do Fumo, TNDMII - Teatro Nacional Dona Maria II
Agradecimentos Catarina Saraiva, Eduardo Hall, Marília Maria Mira, Miguel Pereira, Nuno Luz, Sofia Campos, Teresa Dias, Rita Bernardes

M/18 | 40 minutos